Notícias

Analise do Paiva: Porque a bola do São Bento não entrou?

Em tarde trágica em Osasco, Bentão perdeu um caminhão de gols e empatou com o remendado Mogi Mirim, mas o que foi que aconteceu?

Os amantes do futebol já devem estar acostumados, mas ainda assim se surpreendem e não conseguem entender quando esse tipo de coisa acontece no mundo da bola. O esporte mais competitivo do mundo, ‘vira e mexe’ demonstra o porquê é tão imprevisível. Quem acompanhou a preparação de São Bento e Mogi Mirim para a serie C 2017 com certeza se preparou para uma grande vitoria da equipe Sorocabana, mas em campo não foi o que aconteceu. Muitos torcedores ainda buscam o motivo do time ter criado tanto, e ainda assim não conseguido marcar se quer um gol no Sapão. “Salto Alto”, “azar”, “incompetência do ataque”, são os motivos mais apontados, mas dentro do que aconteceu, o que se sabe é que o São Bento teve 71% da posse de bola, finalizou 18 vezes ao gol do Mogi, sendo 7 lances claros e eminentes de gol. O azulão teve ainda 6 bolas na trave e 1 pênalti desperdiçado, mas nenhuma bola na rede do Mogi. Aliás, minto! João Paulo até balançou a rede da equipe alvirrubra aos 40 minutos do segundo tempo, mas o gol foi anulado, e o placar do São Bento não saiu do zero.

O Bentão não foi só superior ao Mogi, articulou jogadas, criou situações e sim, finalizou; fora, na trave, no gol, mas o goleiro Poti tinha que estar inspirado numa tarde dessas, não é mesmo? Seguindo os passos de Murphy o futebol “tem seus dias” e nestes nenhuma explicação cabe melhor do que o bom e velho “A bola não quis entrar”. A frustração de passar 90 minutos atacando, e não conseguir abrir o placar pode deixar o torcedor estupefato com o time, mas alguns pontos precisam ser analisados antes de creditar uma equipe que fez uma boa partida, como incompetente.
Ferran Soriano escreveu o recomendadíssimo “A bola não entra por acaso” e acho que o contrário também acontece. A bola não DEIXA DE ENTRAR por acaso! É praticamente certo que o tema da coluna não seria esse se ao menos uma das finalizações do São Bento tivesse terminado em gol. Mas o futebol tem toda uma mística que nos encanta, e nem sempre é para nos favorecer. Isso me faz me lembrar de alguns meses atrás, quando em atuação semelhante a deste sábado, o São Bento não só perdeu muitos gols como ainda sofreu um num contra-ataque e foi derrotado pelo Linense em pleno Walter Ribeiro no paulistão.

Talvez de outro segmento, mas com o mesmo toque de sobre naturalidade os “Deuses do futebol” que nos tiraram aqueles três pontos, nos devolveram depois, em partida contra o Red Bull Brasil, onde o azulão tinha dois jogadores a menos em campo, e sofria forte pressão campineira. Sob pedidos do fim do jogo da comissão SãoBentista, para que se assegurasse o 0x0 no placar, o bentão teve uma falta alçada na área e cabeceada pelo Zagueiro Gabriel no ultimo lance do jogo, que ocasionou um dos “gol espíritas” mais marcantes que tive o prazer de ver. Aquela noite não era do Red Bull, de jeito nenhum, mas era do São Bento! E o contrario aconteceu na partida contra o Elefante de Lins, e simplesmente é assim.

Talvez em breve estejamos a comemorar uma vitoria na serie C da qual não merecíamos levar, e neste dia provavelmente ninguém será questionado ou incompetente, afinal, de algum jeito a bola entrou!

Resta saber-se lidar com dias como este e valorizar uma atuação envolvente e cheia de chances que não entraram (porque não).

Se servir de consolo, deixo o vídeo a baixo para a nação beneditina ver que do outro lado do mundo, também tem dias em que “a bola não entra”. RS

 

 

Por Michael Paiva